Atmosfera, Clima, Extinção

Planeta de Fogo: Como os vulcões podem ameaçar nossa existência

Os vulcões são estruturas geológicas que consistem em uma abertura da crosta terrestre que permite o escapamento de gases e magma (rochas derretidas no interior do manto terrestre) para a superfície (tornando-se, assim, lava), nos limites de placas tectônicas. Embora existam mais de 1500 vulcões ativos ao redor do mundo e pelo menos um entre em erupção por semana, poucos possuem o poder de gerar grandes estragos. Entretanto, os vulcões no passado alteraram o clima, geraram tempestades elétricas que duraram meses, criaram anos de frio intenso e, ainda, quase extinguiram completamente a vida no planeta. Mas, afinal, quais são seus verdadeiros riscos?

Resultado de imagem para hawaii volcano
Fluxo de lava no Havaí após erupções de 2018 – Fonte: abc.net.au

Em 26 de agosto de 1883, um evento geológico iniciou-se de forma repentina em um pequeno arquipélago entre as ilhas de Java e Sumatra, na Indonésia. Uma erupção vulcânica colossal, com uma energia equivalente a 200 megatons (cerca de 6200 vezes mais forte do que a energia das bombas de Hiroshima e Nagasaki combinadas) destruiu mais de 70% da ilha e do arquipélago a seu redor, lançando cinzas a mais de 80 quilômetros de altura e enviando uma onde de choque que circulou o planeta quatro vezes. Além disso, criou também o barulho mais alto já registrado na história, rompendo o tímpano de pessoas em um raio de 60 quilômetros, que pôde ser ouvido claramente a mais de 5 mil quilômetros de distância.

Imagem relacionada
Desenho do vulcão de Krakatoa antes de sua erupção em 1883 – Kean Collection
Resultado de imagem para krakatoa volcano 1883
Representação do vulcão durante sua erupção de 1883, que eliminou cerca de 70% da área original da ilha – London, Trubner & Co., 1888
Resultado de imagem para krakatoa map before and after
Mapa da região mostra a área da ilha perdida após a erupção (área pontilhada)

Esse desastre matou diretamente 36 mil pessoas, cujos corpos foram encontrados em diversas regiões do Oceano Índico, incluindo a África do Sul, em decorrência de tsunamis de mais de 40 metros de altura. No ano seguinte após a tragédia, a temperatura global caiu em mais de 1.2 °C, o que modificou as correntes marinhas e o regime de chuva por vários anos. Esse fenômeno, conhecido como inverno vulcânico, é gerado quando uma enorme quantidade de cinzas e partículas de ácido sulfúrico e água reduz a chegada de luz ao solo, o que pode gerar secas, nevascas e ondas de frio por diversos anos.

Imagem relacionada
A enorme quantidade de cinzas liberadas durante uma erupção pode reduzir a taxa de radiação que chega ao solo, resfriando o planeta

A enorme quantidade de cinzas na atmosfera de todo o mundo fez com que os dias se tornassem mais escuros e que, durante o por do sol, o céu adquirisse diversas tonalidades de vermelho vivo e roxo. O fenômeno durou vários anos e foi tão evidente, que diversos historiadores o apontam como a inspiração do quadro O Grito (Skrik), pintado em 1893 por Edvard Munch.

Cores do quadro “O Grito”, de Edvard Munch, podem ter sido inspiradas nos eventos visuais ocorridos em todo mundo após a erupção do Krakatoa.

Embora uma erupção vulcânica possa ter efeitos devastadores, ela é apenas uma fração do verdadeiro poder do manto de nosso planeta. Quando um depósito de magma fica retido próximo à superfície, ele progressivamente irá crescer e acumular gases, criando uma elevação nas camadas de solo acima em uma taxa de até 1,9 metros por ano. Em determinado momento, a pressão torna-se tão grande que uma enorme erupção é gerada, enviando pelo menos 1000 quilômetros cúbicos de tefra (fragmentos de rocha sólida e de cinzas) para a atmosfera, cerca de 100 vezes mais que o expelido pelo Krakatoa. Após sua explosão, ele irá desmoronar e formará uma caldeira, que geralmente será preenchida por água.

Imagem relacionada
Magma acumula-se abaixo da superfície e, ao longo de milhares de anos, pode gerar pressão suficiente para uma explosão de grande porte 

Atualmente, o mundo conta com 20 supervulcões ativos, sendo o mais famoso o localizado no Parque Nacional de Yellowstone, no estado de Wyoming, nos Estados Unidos. Sua caldeira foi criada após uma explosão catastrófica, cerca de 2,1 milhões de anos atrás, mas sua câmara de magma é muito mais antiga, com cerca de 18 milhões de anos. No passado, essa câmara resultou em erupções que cobriram partes da América do Norte em mais de dois quilômetros de cinzas, sendo o supervulcão mais potencialmente perigoso das Américas.

Resultado de imagem para supervolcano
Localização dos supervulcões ativos pelo mundo – Por Maphobbyist
Resultado de imagem para ashfall fossil beds
Representação da enorme quantidade de cinzas vulcânicas expelidas pela caldeira do Yellowstone e dos efeitos da chuva ácida resultante , durante o período Mioceno – Arte por Adrienne Stroup
Imagem relacionada
Centenas de fósseis encontrados na região indicam que mais de dois quilômetros de cinzas cobriram pradarias no centro da América do Norte
Imagem relacionada
As fontes termais coloridas do Parque Nacional de Yellowstone são um lembrete da caldeira de magma subterrânea do local 

Uma erupção do supervulcão de Yellowstone poderia destruir diretamente parte dos Estados Unidos, além de gerar tempestades elétricas que se estenderiam por centenas de quilômetros. A enorme quantidade de ácido sulfúrico lançada na atmosfera geraria intensas chuvas ácidas, que aumentaria a acidez de partes dos oceanos Pacífico e Atlântico e prejudicaria o regime de chuvas no mundo todo. Somado a isso, o frio intenso, juntamente com a chuva ácida, poderiam gerar ondas de fome, o que prejudicaria nossa sociedade por dezenas de anos. Felizmente, estima-se que a probabilidade do supervulcão de Yellowstone explodir nos próximos anos seja de uma em 730.000, mas o mesmo não pode ser dito de outros locais do mundo.

Resultado de imagem para yellowstone supervolcano map
Toda área destacada no mapa representa a região que seria atingida por uma grande quantidade de cinzas, que cobriria completamente a região em vermelho  

Atualmente, o supervulcão mais perigoso do planeta está localizado na região de Campi Flegrei, na Itália. Essa área possui um total de 24 caldeiras, com a maioria delas estando debaixo do mar, que se conectam internamente, formando uma câmara de magma gigante. Acredita-se que a área, que se eleva cerca de 2 metros a cada 1,5 ano, está acumulando pressão há milhares de anos e atividades recentes, como o terremoto de 21 de agosto de 2017, podem indicar que sua erupção está mais próxima do que nunca.

Resultado de imagem para campi Flegrei
Mapa mostrando algumas das caldeiras que compõe a região de Campi Flegrei, na Itália

Para mensurarmos o poder dos vulcões, voltaremos no tempo cerca de 252 milhões de anos, no final do período Permiano. Uma enorme câmara de magma, em uma área que hoje corresponde à Sibéria, acumulou tanto calor que, em vez de explodir em uma grande erupção, fundiu toda a terra acima, criando rios de lava que jorraram por mais de 200 mil anos em uma área de 7 milhões de km², o equivalente ao tamanho do Brasil. A quantidade de gases liberada foi tão grande que ativou uma reação em cadeia, provocando a extinção de aproximadamente 96% das espécies terrestres.

Resultado de imagem para permian lava flow
Derramamentos de lava na Sibéria durante o Permiano cobriram uma área maior que o Brasil, resultando em mudanças no planeta que extinguiriam cerca de 96% da vida na Terra – Arte por José-Luis Olivares
Resultado de imagem para permian extinction paleoart
Arte por Julio Lacerda

Os vulcões são a maior força moduladora de nosso planeta e, ao longo da história, foram responsáveis por diversos eventos que, inclusive, possibilitaram o surgimento da vida (que trataremos posteriormente em um texto). Eles nos mostram a força e o poder da natureza, além de seus perigos, e nos ensinam o quão pequenos somos perante o nosso planeta. Eles são a maior e a mais ameaçadora lembrança do passado do nosso planeta e, provavelmente, continuarão a ser um enorme desafio para a vida no futuro.

Resultado de imagem para jurassic world volcano
Vulcão da fictícia Isla Nublar, da franquia Jurassic World

Referências

Vídeos

 

Artigos

“The 1883 eruption of Krakatau” – Por SELF, Stephen et al.

“Volcanic eruptions and climate”- Por Robock, Alan

Textos

https://www.economist.com/briefing/2015/04/11/after-tambora

https://www.scientificamerican.com/article/what-causes-a-volcano-to-erupt-and-how-do-scientists-predict-eruptions/

https://www.aps.org/publications/apsnews/200405/backpage.cfm

https://www.earthmagazine.org/article/benchmarks-june-1977-first-excavations-nebraskas-ashfall-fossil-beds

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s