Cotidiano, Meteorologia

O Campo de Força Terrestre – Como nosso campo eletromagnético nos protege e pode um dia destruir a nossa sociedade

 

A Terra é o quinto maior planeta do sistema solar e o mais denso de todos. Com um manto formado sobretudo de ferro derretido, a constante movimentação e atrito do magma em seu interior gera correntes elétricas que, consequentemente, criam campos magnéticos, que, por conseguinte, geram correntes elétricas e assim sucessivamente. Essa característica de nosso planeta possibilitou a formação de campos eletromagnéticos,  que atuam como um grande imã por toda a superfície.

Resultado de imagem para campo eletromagnético terrestre
Representação do Campo Eletromagnético Terrestre e de suas influências – Por Tila Barrionuevo

Os chamados Polos Magnéticos são duas regiões específicas de nossa crosta onde esse campo eletromagnético se torna mais forte. Localizados próximo aos Polos Geográficos da Terra, esses pontos direcionam as faces opostas de imãs do mundo todo, ou seja, a face norte de um imã sempre apontará para o sul geográfico e vice-versa. Dessa forma, o Polo Norte Magnético encontra-se no Polo Sul Geográfico (na Antártida), enquanto o Polo Sul Magnético, que direciona a face norte das bússolas convencionais, está localizado no Polo Norte Geográfico, em uma área próxima à Groenlândia.

Resultado de imagem para campo eletromagnético terrestre

Desde 206 AC, com a invenção da bússola, utilizamos os campos eletromagnéticos terrestres para nossa orientação espacial, tomando como referência o polo norte geográfico. Entretanto, embora essa técnica milenar pareça infalível, os polos terrestres não são imutáveis, deslocando-se lentamente em direções variadas com o passar do tempo. Embora pequenas mudanças nos campos magnéticos terrestres sejam comuns, uma inversão completa dos polos magnéticos terrestres ocorre mais ou menos a cada 200 mil anos, o que pode causar grandes impactos em todo o planeta. No passado, esse processo já ocorreu em um período de milhares de anos e, até mesmo, em poucos dias, o que torna seus efeitos nos dias de hoje imprevisíveis.

Resultado de imagem para magnetic field reversal
A Inversão dos Polos Magnéticos iria colocar os polos geográficos e magnéticos na mesma posição, fazendo com que as bússolas apontassem para o Sul
Resultado de imagem para Geomagnetic reversal
Representação de épocas de reversão dos polos magnéticos terrestres desde o Jurássico

O campo magnético terrestre atua como um campo de força, protegendo a crosta de ventos solares, ou seja, emissões de partículas altamente energéticas pelo sol com alto poder mutagênico. Uma inversão repentina dos polos magnéticos poderia, durante poucas horas, enfraquecer essa proteção, expondo nosso planeta a tempestades solares. Caso isso ocorra, um pulso eletromagnético vindo dessa estrela poderia danificar todos os equipamentos eletrônicos da Terra, parando carros, derrubando aviões, desligando computadores, sistemas de distribuição de água e toda a rede elétrica mundial, provocando o fim da sociedade como conhecemos.

Imagem relacionada

Outro impacto significativo da inversão de polos seria em nossa fauna. Milhares de espécies, incluindo lagostas, salmões, nematódeos, aves, tubarões e tartarugas, se orientam através do campo magnético terrestre, utilizando um sentido conhecido como magnetocepção. Uma mudança eletromagnética brusca iria desorientar esses animais significativamente, alterando padrões de migração e causando enormes revoadas de pombos nas cidades e no campo.

Imagem relacionada
Cena do filme The Core demonstrando a ação do campo eletromagnético nas aves

Por fim, um efeito que seria percebido em diversas áreas do mundo seria a alteração nos padrões de auroras boreais e austrais. Esses fenômenos são formados pela interação de partículas solares com o campo eletromagnético terrestre, o que seria exacerbado caso esses campos fossem enfraquecidos. Durante a inversão, essas luzes poderiam ser observadas inclusive em regiões tropicais do mundo, criando verdadeiros espetáculos de luzes e de cores.

Resultado de imagem para northern lights

Atualmente, os polos magnéticos terrestres estão se movendo cerca de 60 quilômetros por ano e o campo eletromagnético de nosso planeta está aproximadamente 10% mais fraco do que quando foram realizadas as primeiras medições, o que pode indicar a aproximação dessa inversão. Sendo assim, devemos nos preocupar? A resposta é não. Embora os efeitos desse fenômeno sejam imprevisíveis, ele provavelmente demorará milhares de anos para ser completado, o que não enfraqueceria o campo de força terrestre a ponto de destruir as nossas tecnologias.

Portanto, enquanto a inversão dos polos não acontece, confie na sua bússola e agradeça a existência dessa proteção gerada pelo interior de nosso planeta, que permitiu a formação da vida que conhecemos e a manutenção de toda a nossa tecnologia.

 

Referências

 

http://www.saense.com.br/2016/03/a-importancia-do-campo-magnetico-terrestre-para-o-surgimento-da-vida-na-terra/

https://news.nationalgeographic.com/2018/01/earth-magnetic-field-flip-north-south-poles-science/

https://www.livescience.com/61958-africa-blob-earth-magnetic-flip.html

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s